Suas atitudes determinam sua altitude!

(Autor desconhecido adaptado por Rogério Benche)

Você costuma pensar nas coisas que você tem feito na vida e pela vida? Costuma parar para saber se o caminho que você está trilhando é o que gostaria de seguir? Costuma se perguntar se a sua atitude de hoje está te levando para mais próximo do ponto de chegada? Percebo, ao longo de minha vida, o quanto é surpreendente e fácil ser pego pela ilusão das nossas atividades, da nossa pressa, da correria do cotidiano, das tarefas inadiáveis, intolerância, arrogância, prepotência, exigência, impaciência, trabalho árduo de cada dia para subir a escada do TER mais sucesso, dinheiro, patrimônio, riqueza, e por ai vai.

Oliver W. Holmes diz:

 “O que existe atrás de nós e o que existe à nossa frente são problemas menores, se comparado com o que existe dentro de nós.”

O que há de errado nisso? Nada desde que você aja com consciência, competência, benevolência, sabedoria etc. O que assusta é a gente descobrir que passamos boa parte de nossas vidas se preocupando com o TER, sem dar a devida importância ao SER.

Se pararmos para olhar a nossa volta podemos observar que a nossa maior preocupação é TER e muito pouco a SER.

Uma pessoa no velório do amigo muito rico pergunta ao colega ao seu lado: “quanto ele deixou?” Ao que o outro respondeu: “ele deixou tudo”.

A conclusão é que as pessoas passam boa parte da vida em busca do TER, algo do tipo:

  • Mais tempo…;
  • Mais dinheiro…;
  • Um carro…;
  • Uma casa nova…;
  • Um verdadeiro amigo…;
  • Uma formação melhor…;
  • Um chefe mais companheiro…;
  • Uma nova oportunidade…;
  • Férias… etc.

É impressionante como esquecemos da importância do SER para TER o que queremos. Imagine se ao invés de ficar lamentando a falta do TER a pessoa adotasse uma postura proativa em prol do SER. Daí, poderia mudar a estrutura de seu pensamento, passando a refletir:

  • Se eu for mais organizado com relação ao tempo que disponho…
  • Se eu for mais estudioso poderei no futuro conseguir uma colocação melhor;
  • Se eu for morar mais próximo do meu trabalho talvez não precise de carro;
  • Se eu for mais cuidadoso com meus gastos pessoais talvez consiga trocar a minha casa atual por uma nova;
  • Se eu for mais atencioso com as minhas amizades…
  • Se eu for mais dedicado e disciplinado nos estudos…
  • Se eu for mais compreensivo, tolerante e proativo talvez possa melhorar o relacionamento com o meu chefe;
  • Se eu for mais persistente, atencioso e participativo talvez surja uma nova oportunidade;
  • Se eu for menos centralizador e confiar mais nas pessoas talvez seja possível tirar uns dias de férias com a família.

“Faça como o carpinteiro: meça duas vezes e corte uma.”

Há pessoas que passaram boa parte da vida buscando o TER sem se darem conta de que, muitas vezes, o SER é o caminho mais curto e seguro para se TER o que deseja. Sair por ai como um trator de esteira abrindo caminho na marra, sem planejamento, cuidados adequados, respeito ao próximo causando mágoas e ressentimentos, pode ser igual ao carpinteiro que sobrecarregado com seus apetrechos de trabalho sua a camisa para alcançar o último degrau de uma enorme escada só para constatar que a apoiou na parede errada.

Será que não seríamos pessoas melhores e mais felizes se nos preocupássemos mais com o SER do que com o TER?

Sucesso e boa semana

Rogério Benche

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>